sexta-feira, 4 de abril de 2014

GÊNEROS DRAMÁTICOS


O Gênero Literário dramático teve suas origens na Grécia Antiga, possivelmente numa manifestação das festas em homenagem a Dionísio. O termo "dramático" quer dizer drama, ou seja Ação. Ele representa ações vividas pelas personagens num determinado espaço-tempo. Um enredo teatral é limitado, conciso, pois não tem narrador. Tudo é dito e compreendido através de ações, falas e gestos dos personagens.
Segundo Aristóteles o gênero dramático apresenta três unidades, limitado ao palco.
a) Ação;
b) Tempo;
c) Espaço.
Esses recursos básicos são complementados com outros como iluminação, sonorização e notações cênicas também chamadas de rubricas, que servem para orientar os atores; correspondem a detalhes anotados pelo autor para conseguir os efeitos desejados durante a interpretação e apresentação no palco pelos atores.
O espetáculo dramático  se assenta em três eixos importantes: o ator, o texto e o público sem o que não há espetáculo teatral.
A simples leitura de um texto não representa o "teatro".
Um texto dramático pode ser em prosa ou em verso. A forma em verso era o mais usado no passado.
Temos as seguintes espécies de teatro do gênero dramático:

1. TRAGÉDIA - que se originou do Ditirambo, canto coral grego. Ele representa ações dolorosas da condição humana, no caso são pessoas comuns. A ação visa provocar no espectador piedade e terror, terminando em geral de forma fatal. O objetivo era provocar a "catarse" ou purificação. Ex." Édipo Rei" e "Antígona" de Sófocles.

2. COMÉDIA - "ridendo castigat morus" - através do riso criticam-se os costumes. É através da exploração do ridículo e das baixezas humanas que procuram levar a uma reflexão sobre o que se passa na sociedade e consequentemente promover uma reforma dos costumes; representa um agente moralizante. Atualmente predomina a sátira e a graça e o teatro do absurdo. A comédia também teve sua origem na Grécia antiga. A ela se refere Aristóteles, na "Poética", como sendo a "imitação de maus costumes, não contudo, de toda sorte de vícios, mas só daquela parte do ignominioso que é o ridículo. Ex. "As Aves" de Aristófanes; "Meno-Male!" de Juca de Oliveira; "O Juiz de Paz na Roça" e "O Noviço" de Martins Pena. Há ainda a Opereta, tipo de teatro musicado, leve, debochado, criticando a sociedade. Quando apresenta partes faladas e outras cantadas, temos a comédia-opereta que é a chamada "Burlesca". Ex. "A Capital Federal" de Artur Azevedo.

3. FARSA - É uma peça cômica de apenas um ato que surgiu no século XIV. Com o uso de poucos personagens apela para a caricatura e exageros visando provocar o riso. Ex. "Farsa de Inês Pereira" de Gil Vicente, e "O Fidalgo Aprendiz" de D. Francisco Manuel de Melo.  

4. AUTO - É uma peça de conteúdo religioso ou profano. Em geral é apresentado em verso. Suas origens estão na Idade Média. De conteúdo simbólico, costuma representar entidades como a hipocrisia, a bondade, a avareza, a luxúria, a virtude, etc, mostrando o lado negativo ou positivo dos sentimentos humanos. Ex."Auto da Barca do Inferno" de Gil Vicente; "Auto de São Lourenço" de José de Anchieta.


5. DRAMA - o drama já é uma criação do Romantismo. Ele é uma peça teatral caracterizada pela seriedade ou solenidade em oposição à Comédia propriamente dita.Normalmente começa de forma solene e grave e termina de forma leve e feliz. A palavra "Dramalhão" é uma derivação da palavra Drama, porém apresenta lances trágicos e artificiosos.
Enquanto texto, a obra dramática tem pontos em comum com a narrativa, pois ambas apresentam enredo e personagens. No teatro (miradouro, em grego) não há a figura do narrador. Devido às limitações orgânicas o dramático não se desenvolve em muitos tempos e espaços.

Nenhum comentário: